Hopital-Pasteur.jpg

Saúde Bem Explicada3 de novembro de 20181min30

Os hospitais Pró-Cardíaco, Samaritano e Pasteur acabam de abrir vagas para seus programas de residência médica. São oportunidades para especialização nas áreas de Anestesiologia, Ortopedia, Cardiologia e Clínica Médica, além de segmentos da alta complexidade, como Medicinas Nuclear e Intensiva. As bolsas são no valor de R$ 4.000 e os cursos têm duração de um a três anos, dependendo da especialidade.

 

“O programa de residência conta com uma estrutura teórica robusta, alta capacitação de nosso corpo clínico e tecnologias avançadas”, diz Raphael Zenatti, pneumologista e gerente responsável pelas residências médicas das unidades.

 

As inscrições podem ser feitas até o dia 27 de dezembro pelo seguinte link: https://www.edudata.com.br/uhg19/uhg19_portal.asp .Todos os programas são credenciados pela Comissão Nacional de Residência Médica – CNRM/MEC e oferecidos de forma remunerada de acordo com as normas e condições descritas no edital.

Fonte: Assessoria de Imprensa UnitedHealth Group


Eu-e-acacio-1280x960.jpg

Saúde Bem Explicada29 de outubro de 20183min40

O ditado diz: amigos são  a família que escolhemos. Minha família e a do Acácio se uniram por conta da amizade de nossas filhas.  Nos encontramos sempre que podemos  porque gostamos de estar juntos, simples assim. Acacio Ca Suzuki, acupunturista nota 10, segue a linha clássica japonesa conhecida como Hari desde 1984, enraizada nos princípios do katotoma antigo, sons de cura, e do shinkiko, terapia energética de imposição de mãos.

O movimento do professor Kodo Fukushima começou nos anos 40. O professor do Acacio foi o  Kuwahara, discípulo direto do Fukushima, que iniciou seus estudos na década de 70 expandindo ainda mais o desejo do resgate espiritual/energético ou mente-coração.

Dentro de um estado de ZEN, que se trata  do estado interno que aprendemos em esvaziar a mente e não criar pré-concepções há um espaço pacífico(consultório) onde o ambiente de tratamento é preparado  com  as práticas diárias de recitação de mantras, meditação, incenso, Feng shui  e música de cura . “Criamos um local propício para as nossas práticas para fornecer cuidados de qualidade. Hari é uma medicina holística e personalizada baseada na ciência médica moderna e tradicional que utiliza sintomatologia, conhecimento empírico e o sentido, conhecido como intuição, facilitando a cura do ser e reintroduzindo o corpo ao fluxo da natureza”.

A acupuntura japonesa estimula a mudança de consciência do paciente. Segundo Acacio, o tratamento não se encerra no consultório, ele segue gerando uma mudança no estado de saúde e consciência do cliente. De acordo com o acupunturista, quando o cliente é atendido, há uma conexão  com  ele em todos os níveis: energético, físico, psíquico, emocional e espiritual. E conclui:Participamos intensamente desta transformação. Todos os clientes que continuam ou não seus tratamentos passam a fazer parte do nosso Dharma ( caminho evolutivo) .

 


Foto-Andreia-de-Barros-pilates-e-eu-1-e1540090056529-1280x960.jpg

Saúde Bem Explicada20 de outubro de 20184min176

Pratiquei pilates pela primeira vez  há uns  10 anos,  no centro do Rio. Eu trabalhava por lá  e amei  a  atividade  física desde a primeira aula. O motivo da paixão? O resultado vem muito rápido.  Eu estava tão encurtada que até  até para abaixar e  pegar qualquer objeto que tinha caído era um sacrifício. Parecia uma pessoa com 70 anos, sem exagero.  Um dos grandes benefícios do  pilates é ganhar muita flexibilidade.  De  três anos para cá, a vida mudou completamente.  Perdi o bom emprego como jornalista responsável pela  comunicação interna na Casa da Moeda do Brasil, criei esse blog de saúde e me reinventei como reflexologista podal, uma técnica oriental  de leve pressão e massagem nos pés em pontos correspondentes aos órgãos do corpo.

Estou simplesmente amando essa minha reinvenção profissional e sabe por que?  Vejo o quanto ajudo as pessoas a superarem problemas tanto emocionais como dores físicas.  E isso, meus caros, não tem preço.  Voltando ao pilates,  comecei há uns 3 meses a buscar um estúdio bom para a prática.   Uma colega  me recomendou  a Unifisio, da fisioterapeuta Andréia de Barros em Copacabana, na rua Miguel Lemos, bem perto da minha casa, o que considero fundamental já que tenho pouco  tempo disponível .Já tinha ido a uns 2 ou 3 antes mas não tinha me apaixonado e sem paixão não faço nadinha. Foi quando conheci a Unifisio, da fisioterapeuta  Andréia de Barros.  Marquei  uma aula experimental. Adorei a  Andréia, o estúdio e decido começar naquele momento. Sem exagero: na terceira aula ja comecei a me sentir mais alongada.   Estou há um mês praticando e além de estar  bem menos travada, abaixando  com  muito mais facilidade,  trabalho lá nos aparelhos comuns aos outros estúdios  mais com várias diferenças. Além disso ,  por conta da reflexologia preciso fazer exercícios específicos para as mãos e coluna, caso contrário, minha nova carreira teria vida curta.  Por que demorei 3 anos para voltar ao pilates? Simplesmente porque a vida virou de cabeça para baixo  com o desemprego e a perda do meu único irmão, em  3 semanas, vítima de um câncer de pulmão devastador . Tenho pais idosos, graças a Deus , e claro, preciso de tempo para cuidar deles.  Quanto ao pilates, fico feliz  por ter acertado  na escolha desse espaço.  O motivo desse post foi que a última quarta-feira, quando chego no estúdio me deparo com  a seguinte  mensagem: Boa forma física é o primeiro requisito de felicidade. De maneira a alcançarmos esta felicidade é fundamental ganhar domínio do seu corpo. Se você está com 30 anos e está rígido e fora de forma, você está velho.Se você está com 60 anos e está maleável e forte, você está novo (Joseph Pilates).  Viu só como acertei na escolha? rsss.

Bom domingo para vocês.


Dra.-Patrícia-Peixoto.jpg

Saúde Bem Explicada28 de setembro de 20184min303

 

Endocrinologista alerta para risco de saúde da gestante e do bebê

O período da gestação e os primeiros dois anos de vida da criança podem ser críticos em muitos aspectos. “Mesmo antes de engravidar a mulher já deve cuidar de sua saúde, buscando atingir um peso adequado, caso esteja com sobrepeso ou obesidade. Alguns hábitos maternos tendem a aumentar as chances de o bebê se tornar uma criança obesa”, explica a endocrinologista Dra. Patrícia Peixoto, Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e Abeso Endocrine Society.

A médica apresenta três fatores de risco na gravidez que levam ao aumento de peso dos crianças já na infância e também na fase adulta:
1. Tipo de parto;
2. Diabetes gestacional;
3. Sobrepeso ao engravidar.

“A via de parto interfere na microbiota intestinal do bebê (grupo de bactérias que mora em nossos intestinos). Os que nascem de parto normal tendem a ter bactérias mais favoráveis, enquanto os nascidos de cesariana apresentam uma microbiota que favorece o aumento de peso corporal. Uma criança nascida de parto cirúrgico tem 15% a mais de chance de se tornar obesa em relação às que nasceram de parto via vaginal”, alerta a endocrinologista.

Uma grande quantidade de gordura ingeridas durante a gestação também pode ser prejudicial.  “Isso pode interferir na formação de uma boa microbiota no intestino do bebê, o que, consequentemente, afeta o sistema imune e o ganho de peso da criança”, destaca Dra Patrícia .

O diabetes gestacional, por conta de fatores alterados no ambiente intrauterino, tende a aumentar em mais de 50% o risco de obesidade quando a criança alcança a fase dos 9 aos 11 anos.

“Mulheres com sobrepeso ao engravidar, assim como as que ganham mais peso do que o indicado durante a gestação também transmitem ao bebê um risco aumentado de diabetes e obesidade. Por outro lado, o ganho de peso abaixo do indicado também é capaz de colocar o bebê em risco futuro de hipertensão arterial e diabetes”, explica Dra. Patrícia Peixoto.

A médica alerta que já antes da gestação e durante o pré natal é fundamental que a mulher passe por uma avaliação e acompanhamento endócrinometabolico e nutricional para que se crie um ambiente adequado ao bebê para um desenvolvimento saudável.

 

 

Fonte:

Dra. Patrícia Peixoto

Endocrinologista e palestrante do projeto Ases Care de atenção multidisciplinar ao paciente diabético.

É Membro efetivo da SBEM (sociedade brasileira de endocrinologia e metabologia), da Abeso (Associação brasileira para estudos da obesidade) e da Endocrine Society.

Fez Medicina e Residência Médica na UFRJ ( 2004).

É coordenadora do projeto Viver saudável, de tratamento multidisciplinar de obesidade pela prefeitura de Campos dos Goytacazes. (RJ).

Participa de cursos e congressos nacionais e internacionais como o recente Clínical endocrinology Update em Miami (setembro/18).

Fonte: Simone Barrros Comunicação


PapoRosa_DraSabrinaChagaseDraMariaJuliaCalas-Imprensa-1280x853.jpg

Saúde Bem Explicada26 de setembro de 20182min256

As médicas Sabrina Chagas e Maria Júlia Calas promovem a 2? edição do evento Papo Rosa no sábado, 06/10, no Theatro Net, em Copacabana, zona Sul do Rio, para esclarecer os mitos e as principais dúvidas dos participantes sobre câncer de mama.

Além do bate-papo informal com renomados especialistas, haverá ainda uma aula de meditação, oficinas de beleza, brindes e exposição de fotos do projeto “Divas”, com mulheres que venceram ou estão na luta para vencer a doença. A entrada é gratuita e as inscrições devem ser feita pelo número: (21) 99321-9769.

“Vamos aproveitar a mobilização pela causa que acontece nesse mês para conscientizar as pessoas que é possível tratar um câncer e que o diagnóstico precoce é o nosso melhor aliado – diz, Sabrina Chagas, médica oncologista.

Também participarão do evento a nutricionista oncológica, Patrícia Arraes; a médica hematologista e facilitadora de meditação, Regina Chamon; o cirurgião-plástico, Ailthon Takishima, da clínica Woman; e Nina Rosa, da Leva Estilo.

Câncer de mama – É o mais comum entre mulheres no Brasil e no mundo. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), para 2018, é estimado o surgimento de 59.700 mil registros. No Rio de Janeiro, são esperados 8.050 casos da doença.

 

SERVIÇO:

Evento: Papo Rosa

Data: 06/10

Entrada Gratuita


sfbo-LOGO.jpg

Saúde Bem Explicada20 de setembro de 20182min170

Pela primeira vez, o Congresso Franco Brasileiro de Oncologia terá uma sala dedicada a interdisciplinaridade no tratamento do paciente oncológico, no sábado, 22/09, das 9h às 17h, no Windsor Barra Hotel, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. A inciativa é da médica oncologista Sabrina Chagas em parceria com a blogueira Day Sant’Anna, do blog Viver Eu Quero.

– Ouvir o outro lado, ou seja, ouvir também os pacientes é uma tendência nos estudos e salas dos congressos europeus e americanos, mas ainda pouco visto aqui no Brasil. Por isso, resolvemos trazer isso para o Franco Brasileiro, e nossa proposta foi aceita. Eu sei bem como é o outro lado. Além de oncologista, vivi de perto o que é ter um familiar com câncer – conta Sabrina.  A sala será uma oportunidade de aproximar todos os envolvidos na luta contra o câncer.

– O ineditismo dessa proposta reside na inversão do olhar na construção do programa científico desta sala. Não vamos partir do ponto de vista exclusivamente técnico, pois queremos extrair o que há de novo na Oncologia que seja capaz de atender diretamente aos anseios de quem luta pessoalmente contra o câncer: o paciente. O que ele e seus familiares mais anseiam é boa informação e qualidade vida – complementa, Day.

O evento é para profissionais da área da saúde. As inscrições e a programação completa da sala está disponível no site: https://sfbo.com.br/

 

Serviço

 

Evento:  O Novo Caminho da Oncologia: Multidisciplinaridade e Comunicação

Local: Windsor Barra Hotel –  Avenida Lúcio Costa, número 2630 – Barra da Tijuca

Dia: 22/09 – Sábado

Horário: 9h às 17h

Mais informações: https://sfbo.com.br/

 

Fonte: Assessoria de Imprensa  Dra. Sabrina Chagas


dia-mundial-do-alzheimer-1-1.jpg

Saúde Bem Explicada11 de setembro de 20185min210

Uma das doenças degenerativas do cérebro que mais cresce entre os idosos é o Alzheimer. Hoje é uma das formas mais comuns de demência. No dia 20 de setembro, quinta-feira, às 18h30, o neurologista André Lima vai realizar  uma palestra sobre o assunto na Clínica Neurovida. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelos telefones: 3738-9800/97513-2413 (whatsapp) e as vagas são limitadas.  A Neurovida fica na  Av. Lúcia Costa, 17.970 – loja E, esquina com a Rua Gilka Machado, no Recreio dos Bandeirantes.

O evento acontece para chamar atenção para a doença – 21 de setembro é o Dia Mundial de Combate a Doença de Alzheimer – que acomete aproximadamente entre 50 e 60% da população idosa mundial, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Ainda não há um diagnóstico definitivo, apenas um diagnóstico de exclusão. No momento não há cura e não tem como ser evitada.  O que é possível fazer é minimizar as causas ainda quando se é jovem tendo uma melhor qualidade de vida.

Segundo a ONU, 75% dos doentes de Alzheimer desconhecem que sofrem do mal e a família, às vezes, é a última a perceber que aquele “simples” esquecimento, no idoso, é um dos sintomas iniciais. Além disso, muitos enfrentam o problema com a assistência médica. Com a crise e o achatamento das aposentadorias, a maioria não tem condições de pagar um plano de saúde e depende dos hospitais públicos/SUS que não oferecem um atendimento de excelência e acompanhamento constante.

O tratamento da doença requer um atendimento multidisciplinar com atendimento por profissionais da área da neurologia, clínica médica, fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e nutrição. A doença manifesta-se através de uma demência progressiva, que aumenta sua gravidade com o tempo e os sintomas começam lentamente e se intensificam ao longo dos anos. É um conjunto de sintomas que provoca alterações do funcionamento cognitivo (memória, linguagem, planejamento e habilidades visuais-espaciais), físico (problemas de marcha e deglutição) e também do comportamento (apatia, agitação, agressividade, delírios, entre outros), limitando, progressivamente, a pessoa nas suas atividades diárias.

Pode ser que os primeiros sintomas comecem alguns anos antes dos familiares perceberem que o idoso está com a demência. Podem ser esquecimentos simples, como troca de nomes dos netos, repetição de uma mesma história várias vezes e mudança de comportamento ou comportamento não adequado. Quanto antes se iniciar um tratamento, procurando a ajuda de um profissional da área médica, melhor será para  retardar o avanço da doença. Um diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento, que tem como objetivo frear o progresso da doença.

Os cuidados com o paciente são essenciais para que ele tenha conforto. O convívio familiar também e muito importante. Sempre observar as mudanças de comportamento, ter cuidados com a higiene para evitar infecções, não entrar em conflitos e principalmente ter muita paciência e amor.

Junto com os doentes, cresce também o número de familiares cuidadores que possuem sua rotina afetada pela doença. É comum este cuidador desenvolver doenças originadas pelo estresse. Além de vários outros problemas físicos, esse familiar pode apresentar também depressão, exaustão, insônia, irritação e falta de concentração. São problemas tanto físicos quanto psicológicos. Isso ocorre devido à sobrecarga de tarefas com o doente que aumenta com a evolução da doença.

Algumas dicas podem ajudar o cuidador a diminuir o estresse diário. Uma delas é aumentar o conhecimento sobre a doença, isso faz com que o familiar se prepare para as etapas do processo de demência, encarando as dificuldades de maneira mais prática. É importante que a pessoa tenha um sono reparador, pratique atividades físicas, tire um momento para si, mantenha uma rotina com amigos, medite, exercite a espiritualidade e se preciso participe de grupos de apoio.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa MVigo Assessoria de Comunicação


JulianaAguiar_TimedoSangue_divulgacao-2.png-1280x1921.jpg

Saúde Bem Explicada24 de agosto de 20185min193

Aplicativo de doação de sangue será lançado no ABC

 

O aplicativo Time do Sangue foi lançado no último dia 15  na região do ABC paulista e passou a  operar em quatro postos de coleta da região facilitando a vida de quem gosta de ajudar o próximo. As unidades atendidas são da rede Colsan (Associação Beneficente de Coleta de Sangue) e ficam localizadas em Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul.

A partir de agora, os doadores de sangue que moram nessas cidades contam com a facilidade de poder agendar a doação no posto de coleta mais próximo. Dessa forma, o processo fica mais rápido, já que não há necessidade de aguardar na fila: no horário marcado, o voluntário é atendido. Além disso, o app notifica os doadores quando há campanhas ou quando ele puder realizar uma nova doação. O Time do Sangue está disponível gratuitamente nas plataformas IOS e Android.

O objetivo da implantação nos postos da rede Colsan no ABC é aumentar o número de doações regulares de sangue nessas unidades. Em outras cidades em que o app opera, houve, em média, um aumento de 10%. De acordo com Juliana Aguiar, diretora do Time do Sangue, as facilidades oferecidas pela ferramenta são responsáveis pela redução das desistências. “Como o processo é mais rápido, as pessoas conseguem se programar e, assim, não desistem de doar por causa de uma possível demora no atendimento”, analisa.

Confira quais postos de coleta serão atendidos pelo app Time do Sangue no ACB:

Hospital Estadual Mário Covas
Rua Dr. Henrique Calderazzo,321 – Santo André/SP

 

Centro Hospitalar Santo André
Av. João Ramalho,326 – Santo André/ SP

 

Hemocentro Regional São Bernardo do Campo – Colsan
Rua Pedro Jacobucci, 440 – Jardim das Américas – São Bernardo do Campo/SP

 

Núcleo Regional de Hemoterapia Dr. Aguinaldo Quaresma
Rua Peri, 361 – Oswaldo Cruz – São Caetano do Sul/SP

Quem pode doar sangue?

Segundo o Ministério da Saúde, para fazer a doação de sangue é preciso que o voluntário tenha boa saúde, idade entre 16 e 69 anos e pesando, no mínimo, 50 kg. No caso dos menores de 18 anos, a doação deve ser feita na presença de um responsável legal e mediante a apresentação de um documento oficial com foto.

Além disso, o doador não pode ter contraído doença de Chagas, Aids, sífilis e hepatite. Dentro do período de um ano, homens podem doar quatro vezes e mulheres três. Gestantes e lactantes, além de pessoas que tomaram a vacina contra a febre amarela há menos de 30 dias, não podem doar.

 

Sobre o Time do Sangue

 

O Time do Sangue é uma startup do bem, que tem o objetivo de facilitar o processo de doação de sangue por meio do agendamento via aplicativo. O Time do Sangue conecta hemocentros e doadores e pode, inclusive, ser utilizado em campanhas de doação para atender demandas de emergência. Para o usuário, o diferencial é que o app significa uma melhoria no atendimento, evitando filas de espera.

Criado em 2017, o Time do Sangue está disponível gratuitamente para as plataformas IOS e Android. Por meio do app, o usuário tem acesso a informações pertinentes e recebe lembretes para que possa voltar a doar sangue assim que possível. Já os hemocentros têm a possibilidade de conhecer a demanda de doação e preparar seus colaboradores para receber os doadores de acordo com os horários de agendamento. O Time do Sangue tem como missão atingir os níveis ideais de doação no Brasil, tornando a doação de sangue um hábito.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Time do Sangue

 


Dr-Marcelo-Oliveira.jpg

Saúde Bem Explicada20 de agosto de 20187min448

Especialistas do Brasil e exterior debatem no Rio –  31 de agosto e 1º de setembro –  novas terapias e apresentam equipamentos para acelerar cicatrização

Avanços científicos que integram tratamentos de lesões, a importância da nutrição,  terapia celular, reconstruções e enxertos, banco de pele, além do emprego da tecnologia robótica no rejuvenescimento facial e corporal. Esses temas estão entre os principais destaques do  V Simpósio Internacional de Inovações Tecnológicas no Tratamento de Lesões  (SIITTRAL 2018). O evento está aberto a médicos, profissionais e estudantes da área de saúde, e acontece dias 31 de agosto e 1º de setembro, no Sheraton Rio Hotel & Resort (Av. Niemeyer, 121 – Leblon). Mesas com 11 debates científicos, além de workshop e conferência com trabalhos nacionais e internacionais, movimentarão o simpósio, cujas inscrições podem ser feitas pelo site www.siittralrj.com.br.

Uma das novidades que será apresentada é o VAC portátil, destinado a acelerar o tempo de cicatrização de lesões graves.  Esta terapia já faz parte de alguns hospitais públicos e particulares do Rio de Janeiro e estará acessível aos consultórios, podendo atender a um maior número de pessoas sem necessidade de internação. O cirurgião plástico Marcelo Oliveira, presidente do SIITTRAL, explica que com o equipamento a  região fica mais vascularizada, menos úmida, e com isso a recuperação do tecido se torna mais rápida. “Além desse equipamento vamos falar de inúmeras pesquisas e inovações tecnológicas. Serão dois dias com sessões teóricas e práticas, para que os profissionais possam aprimorar seus conhecimentos da melhor forma. O SIITTRAL é  hoje o mais completo simpósio multidisciplinar sobre lesões crônicas”, completa.

O SIITRAL 2018 conta com um comitê organizador formado pelos cirurgiões plásticos Marcelo Oliveira e José Gradel, Membros Titulares da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Lydia Masako, professora da disciplina de Cirurgia Plástica da Universidade Federal de São Paulo e Sérgio Carreirão, responsável pela comissão científica, autor de vários livros sobre cirurgia plástica, Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgião e cirurgião do Hospital da Lagoa.

Entre os palestrantes internacionais, está  Lucian Vlad, cirurgião plástico e de reconstrução, da Carolina do Norte (USA), que participará de mesa sobre evolução de terapias para a recuperação de feridas.  Também estarão presentes o médico francês Charles Gardeau, Presidente do Capítulo de Cirurgia Estética da Sociedade Francesa de Cirurgia Plástica, e a italiana Debora Subissati, professora de Cosmetologia do Departamento de Medicina Estética da Tor Vergata University, em Roma. Ambos abordarão novidades em rejuvenescimento.

O SIITTRAL conta também a participação do presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Niveo Steffen, que abordará as novidades sobre bancos de pele e de especialistas nacionais renomados como o chefe de Telemedicina da Universidade de São Paulo (USP), Chao Lung Wen, que apresentará os avanços da telemedicina no Brasil; Rina Porta, do Departamento de Cirurgia Vascular da USP, que falará sobre a abordagem integrada no tratamento das feridas complexas, e o chefe do Departamento de Cirurgia da USP, Rolf Gemperli, que mediará uma mesa sobre a evolução da terapia por pressão negativa.

É importante destacar que as lesões crônicas, sejam elas de origem vasculares, por pressão, infecciosas, neoplásicas, traumáticas ou outras, afetam um grande número de pessoas, e podem levar a óbito se não tratadas adequadamente.

A preocupação com os tratamentos de lesões cresce ainda mais com o aumento da expectativa de vida do idoso. Dados do IBGE divulgados em julho último estimam que em 2039 a população idosa com mais de 65 anos vai superar a de crianças de até 14 anos.  Com isso crescem as incapacidades ocasionadas por doenças associadas ao envelhecimento. São pessoas sem mobilidade ideal com sequelas de doenças venosas, AVC, fraturas, enfermidades neurológicas e cardiovasculares, integrando um grupo mais propenso ao desenvolvimento de feridas crônicas. Esse problema gera um impacto na qualidade de vida de pacientes e familiares. E também provoca alto custo no sistema de saúde devido a tratamentos complexos e internações.

O  SIITTRAL, que acontece desde 2014, foi criado com o objetivo de proporcionar a troca de informações entre profissionais de várias especialidades médicas nos tratamentos de lesões. “Existem muitos avanços e é importante ter essa troca frequente de conhecimento, falando de tecnologias em prol da melhora do paciente, trazendo uma maior qualidade de vida e um tratamento mais efetivo”, diz o cirurgião plástico José Gradel,  vice-presidente do SIITTRAL.

Antes do Simpósio acontece dia 30 de agosto, no mesmo local, o Pré-Siittral, das 17h às 18h30, tendo como tema “Laser de baixa potência e LED no tratamento de feridas”, que será dividido em dois módulos: fotobiomodulação e narração de experiências pessoais.  A programação completa pode ser conferida no http://siittralrj.com.br/programacao-cientifica/

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Contexto