Cuidados com mama devem começar na atenção básica - Saúde Bem Explicada

Saúde Bem Explicada11 de outubro de 20173min237
Médico-Carlos-Vinícius-com-cartilhas-1280x1196.jpg
A luta contra o câncer entre as mulheres ganhou o reforço de cerca de 200 médicos e enfermeiros, além de 350 agentes comunitários do Programa de Saúde da Família, em Petrópolis (RJ).

A luta contra o câncer entre as mulheres ganhou o reforço de cerca de 200 médicos e enfermeiros, além de 350 agentes comunitários do Programa de Saúde da Família, em Petrópolis (RJ).

O grupo vem sendo treinado com o projeto “Capacitação das equipes da Estratégia Saúde da Família – um caminho para implementar a prevenção secundária ao câncer de mama”. A iniciativa é do Serviço de Mastologia do Hospital de Ensino Alcides Carneiro, em parceria com a Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP/Fase), Serviço Social Autônomo Hospital Alcides Carneiro e prefeitura. A ideia é que o projeto seja levado para outras cidades.

Foram elaboradas duas cartilhas de “Saúde mamária”, com conteúdo adaptado para servir de guia rápido na orientação e consulta de médicos, enfermeiros e agentes comunitários. Segundo o médico Carlos Vinícius Pereira Leite, professor da FMP/Fase que está à frente do projeto, o papel dos profissionais é fundamental para a melhoria do fluxo de pacientes na rede de serviços da linha de cuidados da saúde mamária, contribuindo para o diagnóstico precoce e a redução da mortalidade por câncer de mama. A ação também conta com a participação de alunos da faculdade, no apoio ao esclarecimento das mulheres.

Carlos Vinícius Pereira Leite explica que, na organização do Sistema de Saúde no Brasil, a atenção básica é a principal porta de entrada dos usuários, sendo responsável pelo encaminhamento dos que necessitam de atendimento em unidades com mais aparatos tecnológicos:

“Nossa intenção é capacitar os profissionais de atenção básica para que atuem no atendimento às mulheres e no diagnóstico do câncer de mama. O objetivo é melhorar o acesso à informação e o rastreamento dos casos para garantir que o tratamento seja realizado, orientando a comunidade e promovendo a saúde.”