JulianaAguiar_TimedoSangue_divulgacao-2.png

Saúde Bem Explicada12 de junho de 20185min165

 

No Dia Mundial do Doador de Sangue, aplicativo que facilita o processo de doação de sangue comemora um ano com o aumento do número de doadores e hemocentros parceiros

No dia 14 de junho, data em que é comemorado o Dia Mundial do Doador de Sangue, o aplicativo Time do Sangue celebra um ano de criação. A ferramenta, disponível gratuitamente nas plataformas IOS e Android, tem o objetivo de manter os estoques de sangue dos hemonúcleos, captar e fidelizar doadores. Todo o processo é feito de forma simples e rápida, facilitando a doação.

Após um ano de operação em Sorocaba, o Hemonúcleo Colsan da cidade teve um aumento de cerca de 11% nas doações voluntárias. Nas regiões atendidas (Sorocaba, Santos, Jundiaí e São Paulo), já são mais de 12 mil downloads e quase cinco mil agendamentos. Segundo Juliana Aguiar, coidealizadora do app, o número de desistências reduziu com a ferramenta. “Por causa da demora e burocracia, às vezes as pessoas desistem de doar. Com o Time do Sangue, o processo é bem mais rápido, já que o voluntário não precisa esperar na fila para fazer a sua doação”, afirma.

 

O número de hemonúcleos parceiros do aplicativo vem aumentando gradativamente. Além de Sorocaba, atualmente o Time do Sangue opera nas cidades de São Paulo, Jundiaí e Santos e está em fase de implantação em São José do Rio Preto e na região do ABC Paulista, totalizando 13 hemocentros no estado de São Paulo. A ideia é expandir o serviço para todo o país em até dois anos. Porém, a expansão depende de recursos, já que o Time do Sangue é um aplicativo gratuito para usuários e hemocentros.

 

A solidariedade como motivação

 

O aplicativo Time do Sangue surgiu depois que Juliana precisou de cinco bolsas de sangue após uma complicação cirúrgica. “Alguém me ajudou naquele momento difícil e então eu quis retribuir, de alguma forma, ajudando outras pessoas que necessitam de transfusão”, conta.

 

Por meio da ferramenta, o voluntário faz o agendamento da doação após preencher um cadastro simples. Então, ele passa a fazer parte de uma rede unificada que aciona o doador mais próximo quando alguém precisa de sangue, realiza campanhas, envia lembretes e permite ainda que sejam salvos laudos médicos e documentos pessoais com sigilo absoluto.

 

Neste Dia do Doador de Sangue, o aplicativo quer incentivar mais pessoas a fazer este gesto de amor e que salva vidas. “Essa data faz com que as pessoas reflitam sobre a solidariedade, pois quem precisa de uma transfusão depende exclusivamente da ajuda de outras pessoas, pois o sangue humano é insubstituível”, finaliza a empreendedora.

 

Sobre o Time do Sangue

 

O Time do Sangue é uma startup do bem, que tem o objetivo de facilitar o processo de doação de sangue por meio do agendamento via aplicativo. O Time do Sangue conecta hemocentros e doadores e pode, inclusive, ser utilizado em campanhas de doação para atender demandas de emergência. Para o usuário, o diferencial é que o app significa uma melhoria no atendimento, evitando filas de espera.

Criado em 2017, o Time do Sangue está disponível gratuitamente para as plataformas IOS e Android. Por meio do app, o usuário tem acesso a informações pertinentes e recebe lembretes para que possa voltar a doar sangue assim que possível. Já os hemocentros têm a possibilidade de conhecer a demanda de doação e preparar seus colaboradores para receber os doadores de acordo com os horários de agendamento. O Time do Sangue tem como missão atingir os níveis ideais de doação no Brasil, tornando a doação de sangue um hábito.

Fonte: Assessoria de Imprensa Time do Sangue


Dr-Rogério-Horta-oftalmologista-1280x960.jpg

Saúde Bem Explicada24 de maio de 20185min441

Dia 26 de maio é o Dia Nacional do Combate ao Glaucoma, enfermidade ocular em que o nervo óptico se atrofia, e tem por comum um aumento da pressão do olho. Essa patologia causa um dano progressivo na visão periférica, que é a visão lateral, e nos últimos estágios também acomete a visão central, que é a visão de detalhes, como leitura. Existem vários tipos de tratamento, que vão de medicamentos em forma de colírios, cirurgias a laser, operações convencionais, além de novas cirurgias que utilizam a nanotecnologia.  Contudo, o diagnóstico e o cuidado da doença não são muito fáceis. Segundo a Organização Mundial da Saúde, ela é considerada a maior causadora de cegueira irreversível. A Associação Mundial do Glaucoma contabiliza cerca de 65 milhões de pessoas com o problema e 4,5 milhões de casos de perda total da visão.

Quando os seus pacientes têm indicação de cirurgia, o Oftalmologista Dr. Rogério Horta  utiliza uma tecnologia inovadora, que está em prática no Brasil há apenas seis meses. “A Cirurgia Minimamente Invasiva (MIGS) é um procedimento avançado, que possibilita um tratamento rápido e muito eficiente, além de diminuir ou até em certos casos abolir a necessidade do uso de colírios antiglaucomatosos. Para isso, usamos um dispositivo chamado “Istent®“ desenvolvido pela nanotecnologia, do laboratório Glaukos, que é implantado no local de drenagem do Humor Aquoso, ao final da cirurgia de catarata, levando a uma importante redução da pressão intraocular, além de proporcionar uma rápida recuperação. O Humor Aquoso é um líquido que tem a função de nutrir a córnea e o cristalino e regular a pressão interna do olho. O procedimento é minimamente invasivo, isto é, não causa danos oculares. Esta técnica é indicada para casos de glaucoma leve ou moderado, no final da operação de catarata, ou em olhos já operados.”, explica o médico.

O implante é realizado sob microscópio cirúrgico no final da cirurgia de catarata ou em olhos já anteriormente submetidos à essa cirurgia, através de uma incisão muito pequena de 2 mm de espessura. Utiliza-se uma lente especial para ver o local de implante do IStent®, que é inserido na “Malha Trabecular”, onde estão localizados os canais coletores do Humor Aquoso. Com o implante, grande parte do fluxo de drenagem do humor aquoso é restabelecido, e assim a pressão ocular diminui para índices desejados.

Nos trabalhos científicos já publicados houve redução da pressão ocular em quase todos os pacientes, e em torno de 40% descontinuaram os colírios. “Tive exemplo de pessoas com pressão ocular alta de 30 MMHG mesmo com colírio, e que com a cirurgia catarata e o IStent®, esta pressão reduziu para 12 MMHG, o que é normal para o caso” acrescenta o DR. Rogério Horta. Milímetros de mercúrio é a unidade de medida de pressão e a normalidade varia entre 10 e 18 MMHG, de indivíduo para indivíduo.

“Muitas vezes a catarata leva ao aumento da pressão ocular, e pode ser causadora do glaucoma. A cirurgia de catarata sozinha abaixa a pressão por um período, mas depois ela volta a subir. Com o IStent®, consegue-se um controle maior e mais duradouro porque se restabelece o fluxo de drenagem. Muitas vezes, o cristalino cataratoso fica entumecido e contribui com o fechamento do ângulo de drenagem causando aumento da pressão ocular. Após a sua remoção e implante da lente intraocular, que tem apenas 10% do volume do cristalino, a drenagem se restabelece.

No dia 13 de abril, Dr. Rogério participou do Congresso da Sociedade Americana de Catarata e Cirurgia Refrativa, no Washington Convention Center, nos Estados Unidos, onde apresentou o vídeo de Catarata e glaucoma, premiado no ano passado, como o melhor caso cirúrgico de oftalmologia.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Instituto Horta

 


Caroline-Heinz-Monica-Ulisses-1280x853.jpg

Saúde Bem Explicada17 de maio de 20185min973

 

Evento acontece nos dias 18 e 19 de maio, no Museu do Amanhã no Rio de Janeiro

 

 A HempMeds® Brasil, subsidiária do grupo americano Medical Marijuana, Inc. e primeira empresa autorizada pela Anvisa a importar um produto à base de canabidiol ao Brasil é apoiadora do Seminário Internacional “Cannabis Medicinal – Um olhar para o futuro”. O evento é realizado pela Fundação Fiocruz em parceria com a Associação de Apoio à Pesquisa e Pacientes de Cannabis Medicinal – APEPI e acontecerá nos dias 18 e 19 de maio, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

Segundo Margarete Santos de Brito, coordenadora da APEPI, “o objetivo do evento é discutir de forma mais profunda o uso terapêutico da Cannabis, as formas de acesso, resultados de pesquisas, regulamentação e o uso na saúde pública”.

Caroline Heinz, Vice-Presidente da HempMeds® Brasil, afirma que “a participação da empresa neste evento é essencial, pois reunirá todos os atores envolvidos no avanço do processo de liberação da Cannabis Medicinal como medicamento no país, angariando esforços para ampliar o conhecimento da comunidade médica e da sociedade em geral sobre os benefícios deste produto para diversas patologias”.  Na programação estão previstas palestras sobre a ciência canabinoide, o uso terapêutico no Brasil e no mundo, as implicações sócio-políticas e o relato de pacientes que já utilizam a Cannabis medicinal. As inscrições são gratuitas, para conferir a programação completa, acesse o link.

Sobre a Medical Marijuana, Inc.

A Medical Marijuana, Inc. (OTC PINK: MJNA) é a primeira empresa de Cannabis publicamente negociada nos Estados Unidos. A missão da empresa é ser a principal inovadora da indústria de cânhamo. A Medical Marijuana, Inc. (OTC PINK: MJNA) utiliza sua equipe de profissionais para fornecer, avaliar e comprar empresas e produtos de valor agregado, permitindo-lhes manter a sua integridade e espírito empreendedor. Trabalha para conscientizar a indústria, desenvolver negócios ecologicamente corretos e economicamente sustentáveis, aumentando o valor para o acionista. Está empenhada em fornecer consistentemente os produtos de óleo de cânhamo CBD da mais alta qualidade no mercado. Informações complementares sobre o portfólio de empresas e investimentos da Medical Marijuana, Inc., estão disponíveis no site www.medicalmarijuanainc.com.

 

Sobre a HempMeds® Brasil

A HempMeds® Brasil foi a primeira empresa a receber aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para importação de um produto à base de canabidiol, substância derivada do cânhamo, planta do gênero Cannabis. Atualmente, está autorizada a fornecer seus produtos, que auxiliam no controle de doenças como epilepsia, Parkinson, dor crônica e esclerose múltipla, sob prescrição médica. Para essas indicações, os produtos podem ser subsidiados pelo governo brasileiro. A

 

DIVULGAÇÃO LEGAL

A Medical Marijuana Inc. não vende ou distribui quaisquer produtos que violem a Lei de Substâncias Controladas dos Estados Unidos (US.CSA). Estas empresas produzem, vendem e distribuem produtos à base de cânhamo e estão envolvidas com a distribuição federalmente legal de produtos médicos à base de maconha em determinados mercados internacionais. O canabidiol é um componente natural do óleo de cânhamo.

 

Fonte: Advice Comunicação Corporativa 


Amanda-Estácio.jpg

Saúde Bem Explicada16 de maio de 20181min1090

 

 

A Liga Acadêmica de Humanização (LIAH)  da Universidade Estácio de Sá ( UNESA ) , Campus João Uchôa, no Rio Comprido, Rio de Janeiro, organizou o evento  Empatia! Venha se colocar no lugar do outro que será realizado dia 17/5,  17h30.

O tema será apresentado pela pediatra Luciana Borges, professora da Estácio e da UERJ. De acordo com a presidente da LIAH , Amanda Machado, o tema Empatia foi escolhido porque é um dos pilares da humanização e é muito importante para a formação médica e dos profissionais de saúde de uma forma geral. ” Bom seria se fossemos bons e empáticos, mas como ser bom é algo inerente, sejamos empáticos pois a empatia é adquirida a partir de exercício diário.

O evento é gratuito e aberto a todos os interessados.

 


Endocrino-Juliana-Garcia-Dias.jpg

Saúde Bem Explicada14 de maio de 20183min378

 

Sabe aquela estagnação na perda de peso, após ter perdido alguns quilos ? E aquela sensação de oscilar entre ganho e perda de peso o tempo todo, o famoso efeito sanfona?

Isso tudo é real e não é por acaso. Pode ser uma resposta metabólica do seu corpo.

“Nosso corpo tem um “sensor”, como se fosse uma balança interna, que detecta alterações de peso e, a partir disso, quando emagrecemos, nosso hipotálamo (a área do cérebro que controla o apetite, o gasto energético e o peso) tenta de toda forma, voltar a um peso anterior. Por isso é tão difícil a manutenção do peso perdido  na maioria das vezes”, explica a endocrinologista e clínica geral Dra Juliana Garcia Dias.

A médica apresenta algumas dicas que podem ser implementadas na rotina  para manutenção do peso:

1- A reeducação alimentar deve ser mantida. “Por isso fuja das dietas muito restritas sem planejamento a longo prazo.

Fuja das permissões excessivas e faça uma dieta que te dê prazer e seja possível de manter”.

2- Mantenha atividade física regular. Pode começar com algo leve, mas é importante ir aumentando a intensidade e mudando o tipo de estímulo. Isso garante um bom metabolismo.

3- Invista em fontes de fibras e proteínas, evitando carboidrato simples e açúcar para que assim não entre em ciclo vicioso de fome e consiga ter mais saciedade.

4- Invista em ganho de massa magra. Quanto mais músculo, melhor o metabolismo, menor a chance de reganho de peso.

5- Não deixe de lado o seu sono, é importante dormir com qualidade para equilibrar os hormônios e controlar a fome e saciedade.

6- Lembre-se de beber água. Hidratação é uma forma de eliminarmos toxinas do corpo e manter o bom metabolismo.

7- Equilibre seus hormônios. A avaliação hormonal pode ser importante para garantir os resultados.

8- Em alguns casos, o uso de medicamento para equilibrar o hipotálamo e os sinalizadores de fome e saciedade pode ser necessário e válido, desde que feito da forma correta com acompanhamento do endocrinologista.

“É fundamental a orientação médica realizada pessoalmente em consultórios antes, durante e depois desses passos”, reforça Dra. Juliana.

Fonte: Dra. Juliana Garcia, Endocrinologista e Clínica Geral

Membro titular Sociedade Brasileira em Endocrinologia e Metabologia. Pós Graduada em Medicina do Trabalho – UNIG , Pós –Graduada em Endocrinologia – PUC, no Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione, Rio de Janeiro – IEDE

 


palestr-idoso-clinica-leve-saúde.jpg

Saúde Bem Explicada8 de maio de 20183min489

Pensando na qualidade de vida e no bem-estar das pessoas que alcançaram a terceira idade, a Clinica Leve Saúde, na Tijuca, promoverá no dia 7 de junho, às 10 horas, um encontro gratuito sobre a saúde do idoso. Serão várias palestras sobre os cuidados com a circulação venosa, a alimentação ideal para quem já passou dos 60 anos, características da atividade física para essa faixa etária e quais são as medidas para um envelhecimento saudável. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo telefone (21) 3952 4800. A Clínica Leve Saúde fica na Rua Engenheiro Enaldo Cravo Peixoto, 215 – loja B, ao lado do Shopping Tijuca .

Segundo uma pesquisa divulgada em abril pelo  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população brasileira manteve a tendência de envelhecimento dos últimos anos e ganhou 4,8 milhões de idosos desde 2012, superando a marca dos 30,2 milhões em 2017. Em 2012, a população com 60 anos ou mais era de 25,4 milhões. Os 4,8 milhões de novos idosos em cinco anos correspondem a um crescimento de 18% desse grupo etário, que tem se tornado cada vez mais representativo no Brasil. As mulheres são maioria expressiva nesse grupo, com 16,9 milhões (56% dos idosos), enquanto os homens idosos são 13,3 milhões (44% do grupo). ( Fonte: site IBGE)

Esse é o segundo encontro gratuito promovido pela Clinica. Para Fabianne Salgado, administradora da Leve Saúde,  a proposta é fazer com que as pessoas fiquem atentas a sua saúde e passem a se cuidar mais.

 

“Nosso primeiro encontro foi em maio sobre a saúde da mulher. Foi super importante, pois conseguimos chamar a atenção para vários problemas que afetam o público feminino. Agora,decidimos compartilhar que tipos de cuidados especiais o idoso deve ter. É um convite para o idoso e também para aqueles que estão a sua volta, como familiares e cuidadores”, completa.

 

As palestras serão ministradas pelos médicos Ricardo Brizzi (angiologista e cirurgião vascular), Norma Ferreira (Fisiatra, Medicina Física e de Reabilitação),  a educadora física e gerontóloga Talita Cezareti e a nutricionista Brenda Jacomo.

Fonte: Contexto Comunicação


IMG-20180412-WA0017.jpg

Saúde Bem Explicada12 de abril de 20181min761

A médica Patrícia de Oliveira Neto e a psicóloga Glauce Corrêa estão reunindo relatos pessoais e de forma livre, de acadêmicos de Medicina sobre o tema: *“O Médico que Pretendo Ser para o Meu Paciente”* que será transformado em livro.
uma oportunidade para compartilhar conquistas, emoções, dúvidas, ansiedades, expectativas e ajudar a apoiar os novos acadêmicos de Medicina.

patriciaroneto@gmail.com
glaucecorreadasilva@gmail.com
Abraços e muito obrigada!

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfFeaeJ0F3EfPFkGpk0xnc9EABt03vDLTzfP8RxHFQcEQugvA/viewform


Oftalmo-Marcos-Alvarenga-1280x960.jpg

Saúde Bem Explicada14 de março de 20182min2424

 

Temos que falar sobre Neuromielite Óptica! E março é o mês da conscientização sobre essa doença, que é rara, grave, inflamatória e desmienilizante do sistema nervoso central. Nesta época, países como EUA, Canadá e Inglaterra deflagram campanhas que tragam informações e esclarecimentos sobre a importância do diagnóstico precoce da doença e, no Brasil, sociedades médicas e pacientes também levantam essa bandeira em prol da causa.

A Neuromielite Óptica (NMO) também é conhecida como Doença de Devic e acomete, principalmente, os nervos ópticos e a medula espinal. Entre os sintomas estão perda de visão (neurite óptica) em um ou ambos os olhos, dificuldade para andar, dores neuropáticas (que são dores causadas pelos nervos), espasticidade dos membros, dormência nos braços e nas pernas e alterações do controle da urina e do intestino, podendo ainda evoluir para a paralisia total dos membros. Os sintomas e sinais visuais e medulares podem ocorrer simultaneamente.

Para Marcos Alvarenga, especialista em doenças neuroimunológicas e coordenador científico do site Esclerose Múltipla Rio, é fundamental que haja maior conhecimento sobre a Neuromielite Óptica, principalmente entre a classe médica, pois a falta de capacitação para reconhecimento dos sintomas dificulta o diagnóstico precoce, o que pode levar a complicações sintomáticas para o paciente.

 

 


09-02-2018-dr_cesar_casarolli.png

Saúde Bem Explicada9 de fevereiro de 20183min2056

O neurocirurgião Dr.Cesar  Casarolli, com especialização no Hospital das Clínicas e na USP e membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia fala sobre a dor que acomete milhares de brasileiros

É comum que as pessoas que sofrem com esse mal sintam dores em pontos diferentes da cabeça, que são causadas pelos mais variados motivos. A enxaqueca, por exemplo, geralmente acomete a região das têmporas, em ambos os lados da cabeça, e costuma durar por longas horas.

Já a dor na região da testa e topo do crânio pode ser causada principalmente por motivos como estresse, tensão e hábitos pouco saudáveis, como o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e café.

A dor de cabeça na nuca também é extremamente comum em casos de excesso de tensão, normalmente provocada por situações como estresse emocional, ansiedade ou aumento da pressão arterial, por exemplo. Geralmente, nestes casos também é possível sentir o pescoço mais rígido e uma dor em ambos os lados da nuca.

Apesar de muitas pessoas acreditarem que a dor de cabeça na nuca é perigosa, na maioria dos casos a dor não é um sintoma de doença grave.

No entanto, é indispensável procurar um médico especialista no assunto para descartar a possibilidade, já que existem algumas doenças neurológicas, como aneurisma e meningite, que podem estar relacionadas com os sintomas, principalmente quando a dor de cabeça vem acompanhada de enjoo intenso, vômitos ou febre.

Entre outras doenças correlacionadas com os sintomas de dor de cabeça, estão: infecções bacterianas e virais (como gripes, resfriados e sinusite), fibromialgia, AVC e tumores cerebrais, lembrando mais uma vez que os sintomas não necessariamente estarão ligados com a doença e podem estar relacionados apenas a distúrbios hormonais, emocionais, psicológicos, físicos ou ainda ser efeito colateral de alguma medicação.

Fonte: Assunção Comunicação

 


Robô_da-Vinci-Xi-1280x1704.png

Saúde Bem Explicada7 de fevereiro de 20182min602

Mais moderna versão da tecnologia possibilita ainda mais precisão em procedimentos minimamente invasivos

O Samaritano Botafogo é o primeiro hospital do Rio de Janeiro a contar com a mais moderna versão do robô da Vinci – a Xi -, que proporciona maior mobilidade e melhor definição de imagens para os médicos durante os procedimentos cirúrgicos. Em 2012, a instituição também foi a primeira do setor privado na cidade a adotar essa tecnologia e, desde então, já realizou 757 cirurgias robóticas. O novo equipamento será utilizado em procedimentos cardiológicos, urológicos, endocrinológicos, digestivos, ginecológicos, torácicos e de cabeça e pescoço.

Além de possibilitar que o médico realize as cirurgias com mais precisão – mesmo em áreas muito próximas, graças à rotação em 360 graus de garras mecânicas e câmera HD –, os principais diferenciais do da Vinci Xi são um grampeador cirúrgico, utilizado nos procedimentos bariátricos, e a movimentação do robô em diferentes ângulos, sem necessidade de mudar o paciente de posição nas cirurgias de tórax ou da região colorretal.

Ricardo Periard, diretor do Hospital Samaritano Botafogo, ressalta que a cirurgia robótica vem sendo reconhecida como um dos mais importantes avanços da medicina nas últimas décadas. “O uso do robô permite cirurgias menos invasivas e mais assertivas e, no pós-operatório, uma recuperação mais rápida para os pacientes”, explica o executivo.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Hospital Samaritano Botafogo