Executivos-palestra-Tecnologia-da-Informação-Inlags-1280x960.jpg

Saúde Bem Explicada26 de março de 20182min796

Pesquisadores e empresários da área de Tecnologia da Informação se reuniram  na última sexta-feira, dia 23, no Inlags ( Instituto Latino Americano de Gestão de Saúde) para debater  sobre as transformações no setor de saúde a partir do uso de plataformas desenvolvidas por grandes players do mercado.

Paulo Marcos Souza, CEO do Inlags, colocou na mesma mesa de debates  os médicos Carlos Eduardo Reis, Diretor Executivo da Epimed Solutions, César Abicalaffe, Presidente da 2iM  Inteligência Médica e Thiago Canelas, co-fundador da Entropia, centro de inovação em Inteligência Artificial e Blockchain.

As plataformas, totalmente compatíveis,  são sinérgicas e fundamentais para o avanço do setor por meio do compartilhamento de informações trazendo valor no cuidado com o paciente.

Segundo Paulo Marcos o encontro foi muito enriquecedor justamente por agregar os maiores players do mercado que já estão transformando a saúde  no Brasil  e no exterior.” A Epimed é uma empresa brasileira, com origem no Rio de Janeiro, que conquistou o mundo garantindo qualidade nas UTIs da América Latina e Europa e a  2iM está mudando o perfil de desperdício e baixa qualidade  da saúde”, concluiu.

 

 

 

 


18-1-2017-Felipe-Burattini-CEO-do-Dandelin-2-1280x853.jpg

Saúde Bem Explicada18 de janeiro de 20185min4286

Pré-cadastro para médicos e pacientes já está disponível no site

Com o objetivo de democratizar o acesso à saúde no Brasil, o empreendedor Felipe Burattini criou uma plataforma que conecta pacientes a médicos, facilitando o agendamento de consultas e socializando os custos reais entre todos os membros de sua comunidade. Desenvolvido com base em princípios de economia compartilhada, o Dandelin chega ao mercado com a missão de oferecer acesso simples, justo e humano aos serviços médicos. A ideia é disponibilizar uma alternativa ao seguro saúde, reduzindo a despesa dos membros, que vão ter acesso a consultas ilimitadas, e aumentando o repasse aos especialistas em mais de 50% ao valor pago por seguradoras.

 

“Cortamos as burocracias, deixando nossos membros livres para marcar suas consultas médicas com rapidez, sem vínculos com empresas ou custos fixos. Parte fundamental da economia compartilhada e, consequentemente, do Dandelin, é a descentralização. Nós não estipulamos valores mensais. A nossa taxa de administração será um percentual em cima do valor mensal devido a cada membro da comunidade. Ou seja, o custo que cada membro pagará será diretamente influenciado pela própria comunidade, podendo, inclusive, ser R$ 0, caso ninguém da mesa marque consulta num determinado mês”, explica o CEO do Dandelin, Felipe Burattini.

 

Como as consultas são realizadas nos consultórios dos profissionais cadastrados, o paciente pode procurá-los por localização, especialidade, disponibilidade de agenda ou pelo nome do médico. “Sem transações financeiras, sem burocracias e mantendo seu histórico de agendamentos”, enfatiza Burattini, que lembra que parte do lucro será destinado a ações sociais. “Levando saúde àqueles que não tem acesso”, garante.

 

O empreendedor destaca ainda que a plataforma possibilita que o paciente acompanhe demonstrativos financeiros para entender como é composto o custo mensal de cada membro da comunidade e quais são ações sociais em andamento. “Ele pode acompanhar as próximas consultas e conferir, em tempo real, quanto será o valor debitado para cada membro da comunidade”, diz.

 

Além de aumentar o acesso à saúde para o público geral, o Dandelin oferece gratuitamente um software de agendamento de consulta e gerenciamento de operações do consultório e como forma de captação de clientes para os médicos, centralizando de maneira prática e econômica serviços que costumam pesar no orçamento dos estabelecimentos.

 

Os membros também se beneficiam da praticidade do cadastro, que exige apenas dados pessoais básicos e sem necessidade de pré aprovação.

 

O aplicativo estará disponível para os sistemas iOS e Android em janeiro de 2018, mas o pré-cadastro para médicos e pacientes já está aberto no site dandelin.io. Os usuários que se inscreverem em 2017 recebem 20% de desconto no primeiro mês de uso, enquanto os médicos que recomendarem outros colegas na plataforma receberão um bônus.

 

SOBRE O DANDELIN

Desenvolvido com base em princípios de economia compartilhada, o Dandelin é um aplicativo que conecta pacientes a médicos. A plataforma facilita o agendamento de consultas, que são realizadas nos consultórios dos profissionais cadastrados. Assim, o paciente poderá procurar médicos por localização, especialidade, disponibilidade de agenda ou pelo próprio nome do profissional.

 

A plataforma socializa os custos reais de consultas entre todos os membros de sua comunidade. O valor mensal médio para ter acesso ilimitado a consultas médicas é variável e depende do número de consultas que os membros da comunidade realizarem durante cada mês.

 

O aplicativo estará disponível para os sistemas iOS e Android em janeiro de 2018, mas o pré-cadastro para médicos e pacientes já está aberto no site dandelin.io. Basta informar apenas dados pessoais básicos e não há necessidade de pré aprovação.

 



Saúde Bem Explicada13 de setembro de 20172min622

O reitor do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Luis Reto, participou no dia 25 de agosto, no Rio de Janeiro, de uma sessão de boas-vindas aos alunos da segunda turma do Pré-Master Internacional de Gestão de Serviços em Saúde, uma parceria entre a Fundação Getúlio Vargas e a instituição portuguesa.


Eficácia-de-medicamentos-é-questão-ética-na-área-de-saúde.jpg

Saúde Bem Explicada5 de junho de 20171min6740

Os efeitos dos medicamentos prescritos aos pacientes foi um dos temas abordados na palestra Ética e Responsabilidade Social realizada dia 2 de junho na FGV Centro, no curso Gestão em Saúde, da qual participaram o economista Ivo Bucaresky e os professores João Costa e Tânia Furtado. O economista alertou que cabe aos médicos notificar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quando os remédios prescritos por eles não tenham surtido os efeitos e/ou resultados esperados em seus pacientes. Sem essa interação dos médicos com a Anvisa, será mais difícil ao órgão de fiscalização tomar as medidas necessárias para melhor administração desses medicamentos.