Hopital-Pasteur.jpg

Saúde Bem Explicada3 de novembro de 20181min44

Os hospitais Pró-Cardíaco, Samaritano e Pasteur acabam de abrir vagas para seus programas de residência médica. São oportunidades para especialização nas áreas de Anestesiologia, Ortopedia, Cardiologia e Clínica Médica, além de segmentos da alta complexidade, como Medicinas Nuclear e Intensiva. As bolsas são no valor de R$ 4.000 e os cursos têm duração de um a três anos, dependendo da especialidade.

 

“O programa de residência conta com uma estrutura teórica robusta, alta capacitação de nosso corpo clínico e tecnologias avançadas”, diz Raphael Zenatti, pneumologista e gerente responsável pelas residências médicas das unidades.

 

As inscrições podem ser feitas até o dia 27 de dezembro pelo seguinte link: https://www.edudata.com.br/uhg19/uhg19_portal.asp .Todos os programas são credenciados pela Comissão Nacional de Residência Médica – CNRM/MEC e oferecidos de forma remunerada de acordo com as normas e condições descritas no edital.

Fonte: Assessoria de Imprensa UnitedHealth Group


Eu-e-acacio-1280x960.jpg

Saúde Bem Explicada29 de outubro de 20183min60

O ditado diz: amigos são  a família que escolhemos. Minha família e a do Acácio se uniram por conta da amizade de nossas filhas.  Nos encontramos sempre que podemos  porque gostamos de estar juntos, simples assim. Acacio Ca Suzuki, acupunturista nota 10, segue a linha clássica japonesa conhecida como Hari desde 1984, enraizada nos princípios do katotoma antigo, sons de cura, e do shinkiko, terapia energética de imposição de mãos.

O movimento do professor Kodo Fukushima começou nos anos 40. O professor do Acacio foi o  Kuwahara, discípulo direto do Fukushima, que iniciou seus estudos na década de 70 expandindo ainda mais o desejo do resgate espiritual/energético ou mente-coração.

Dentro de um estado de ZEN, que se trata  do estado interno que aprendemos em esvaziar a mente e não criar pré-concepções há um espaço pacífico(consultório) onde o ambiente de tratamento é preparado  com  as práticas diárias de recitação de mantras, meditação, incenso, Feng shui  e música de cura . “Criamos um local propício para as nossas práticas para fornecer cuidados de qualidade. Hari é uma medicina holística e personalizada baseada na ciência médica moderna e tradicional que utiliza sintomatologia, conhecimento empírico e o sentido, conhecido como intuição, facilitando a cura do ser e reintroduzindo o corpo ao fluxo da natureza”.

A acupuntura japonesa estimula a mudança de consciência do paciente. Segundo Acacio, o tratamento não se encerra no consultório, ele segue gerando uma mudança no estado de saúde e consciência do cliente. De acordo com o acupunturista, quando o cliente é atendido, há uma conexão  com  ele em todos os níveis: energético, físico, psíquico, emocional e espiritual. E conclui:Participamos intensamente desta transformação. Todos os clientes que continuam ou não seus tratamentos passam a fazer parte do nosso Dharma ( caminho evolutivo) .

 


Foto-Andreia-de-Barros-pilates-e-eu-1-e1540090056529-1280x960.jpg

Saúde Bem Explicada20 de outubro de 20184min228

Pratiquei pilates pela primeira vez  há uns  10 anos,  no centro do Rio. Eu trabalhava por lá  e amei  a  atividade  física desde a primeira aula. O motivo da paixão? O resultado vem muito rápido.  Eu estava tão encurtada que até  até para abaixar e  pegar qualquer objeto que tinha caído era um sacrifício. Parecia uma pessoa com 70 anos, sem exagero.  Um dos grandes benefícios do  pilates é ganhar muita flexibilidade.  De  três anos para cá, a vida mudou completamente.  Perdi o bom emprego como jornalista responsável pela  comunicação interna na Casa da Moeda do Brasil, criei esse blog de saúde e me reinventei como reflexologista podal, uma técnica oriental  de leve pressão e massagem nos pés em pontos correspondentes aos órgãos do corpo.

Estou simplesmente amando essa minha reinvenção profissional e sabe por que?  Vejo o quanto ajudo as pessoas a superarem problemas tanto emocionais como dores físicas.  E isso, meus caros, não tem preço.  Voltando ao pilates,  comecei há uns 3 meses a buscar um estúdio bom para a prática.   Uma colega  me recomendou  a Unifisio, da fisioterapeuta Andréia de Barros em Copacabana, na rua Miguel Lemos, bem perto da minha casa, o que considero fundamental já que tenho pouco  tempo disponível .Já tinha ido a uns 2 ou 3 antes mas não tinha me apaixonado e sem paixão não faço nadinha. Foi quando conheci a Unifisio, da fisioterapeuta  Andréia de Barros.  Marquei  uma aula experimental. Adorei a  Andréia, o estúdio e decido começar naquele momento. Sem exagero: na terceira aula ja comecei a me sentir mais alongada.   Estou há um mês praticando e além de estar  bem menos travada, abaixando  com  muito mais facilidade,  trabalho lá nos aparelhos comuns aos outros estúdios  mais com várias diferenças. Além disso ,  por conta da reflexologia preciso fazer exercícios específicos para as mãos e coluna, caso contrário, minha nova carreira teria vida curta.  Por que demorei 3 anos para voltar ao pilates? Simplesmente porque a vida virou de cabeça para baixo  com o desemprego e a perda do meu único irmão, em  3 semanas, vítima de um câncer de pulmão devastador . Tenho pais idosos, graças a Deus , e claro, preciso de tempo para cuidar deles.  Quanto ao pilates, fico feliz  por ter acertado  na escolha desse espaço.  O motivo desse post foi que a última quarta-feira, quando chego no estúdio me deparo com  a seguinte  mensagem: Boa forma física é o primeiro requisito de felicidade. De maneira a alcançarmos esta felicidade é fundamental ganhar domínio do seu corpo. Se você está com 30 anos e está rígido e fora de forma, você está velho.Se você está com 60 anos e está maleável e forte, você está novo (Joseph Pilates).  Viu só como acertei na escolha? rsss.

Bom domingo para vocês.


Dra.-Patrícia-Peixoto.jpg

Saúde Bem Explicada28 de setembro de 20184min314

 

Endocrinologista alerta para risco de saúde da gestante e do bebê

O período da gestação e os primeiros dois anos de vida da criança podem ser críticos em muitos aspectos. “Mesmo antes de engravidar a mulher já deve cuidar de sua saúde, buscando atingir um peso adequado, caso esteja com sobrepeso ou obesidade. Alguns hábitos maternos tendem a aumentar as chances de o bebê se tornar uma criança obesa”, explica a endocrinologista Dra. Patrícia Peixoto, Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e Abeso Endocrine Society.

A médica apresenta três fatores de risco na gravidez que levam ao aumento de peso dos crianças já na infância e também na fase adulta:
1. Tipo de parto;
2. Diabetes gestacional;
3. Sobrepeso ao engravidar.

“A via de parto interfere na microbiota intestinal do bebê (grupo de bactérias que mora em nossos intestinos). Os que nascem de parto normal tendem a ter bactérias mais favoráveis, enquanto os nascidos de cesariana apresentam uma microbiota que favorece o aumento de peso corporal. Uma criança nascida de parto cirúrgico tem 15% a mais de chance de se tornar obesa em relação às que nasceram de parto via vaginal”, alerta a endocrinologista.

Uma grande quantidade de gordura ingeridas durante a gestação também pode ser prejudicial.  “Isso pode interferir na formação de uma boa microbiota no intestino do bebê, o que, consequentemente, afeta o sistema imune e o ganho de peso da criança”, destaca Dra Patrícia .

O diabetes gestacional, por conta de fatores alterados no ambiente intrauterino, tende a aumentar em mais de 50% o risco de obesidade quando a criança alcança a fase dos 9 aos 11 anos.

“Mulheres com sobrepeso ao engravidar, assim como as que ganham mais peso do que o indicado durante a gestação também transmitem ao bebê um risco aumentado de diabetes e obesidade. Por outro lado, o ganho de peso abaixo do indicado também é capaz de colocar o bebê em risco futuro de hipertensão arterial e diabetes”, explica Dra. Patrícia Peixoto.

A médica alerta que já antes da gestação e durante o pré natal é fundamental que a mulher passe por uma avaliação e acompanhamento endócrinometabolico e nutricional para que se crie um ambiente adequado ao bebê para um desenvolvimento saudável.

 

 

Fonte:

Dra. Patrícia Peixoto

Endocrinologista e palestrante do projeto Ases Care de atenção multidisciplinar ao paciente diabético.

É Membro efetivo da SBEM (sociedade brasileira de endocrinologia e metabologia), da Abeso (Associação brasileira para estudos da obesidade) e da Endocrine Society.

Fez Medicina e Residência Médica na UFRJ ( 2004).

É coordenadora do projeto Viver saudável, de tratamento multidisciplinar de obesidade pela prefeitura de Campos dos Goytacazes. (RJ).

Participa de cursos e congressos nacionais e internacionais como o recente Clínical endocrinology Update em Miami (setembro/18).

Fonte: Simone Barrros Comunicação


PapoRosa_DraSabrinaChagaseDraMariaJuliaCalas-Imprensa-1280x853.jpg

Saúde Bem Explicada26 de setembro de 20182min264

As médicas Sabrina Chagas e Maria Júlia Calas promovem a 2? edição do evento Papo Rosa no sábado, 06/10, no Theatro Net, em Copacabana, zona Sul do Rio, para esclarecer os mitos e as principais dúvidas dos participantes sobre câncer de mama.

Além do bate-papo informal com renomados especialistas, haverá ainda uma aula de meditação, oficinas de beleza, brindes e exposição de fotos do projeto “Divas”, com mulheres que venceram ou estão na luta para vencer a doença. A entrada é gratuita e as inscrições devem ser feita pelo número: (21) 99321-9769.

“Vamos aproveitar a mobilização pela causa que acontece nesse mês para conscientizar as pessoas que é possível tratar um câncer e que o diagnóstico precoce é o nosso melhor aliado – diz, Sabrina Chagas, médica oncologista.

Também participarão do evento a nutricionista oncológica, Patrícia Arraes; a médica hematologista e facilitadora de meditação, Regina Chamon; o cirurgião-plástico, Ailthon Takishima, da clínica Woman; e Nina Rosa, da Leva Estilo.

Câncer de mama – É o mais comum entre mulheres no Brasil e no mundo. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), para 2018, é estimado o surgimento de 59.700 mil registros. No Rio de Janeiro, são esperados 8.050 casos da doença.

 

SERVIÇO:

Evento: Papo Rosa

Data: 06/10

Entrada Gratuita


Longevidade-Brasil.jpg

Saúde Bem Explicada20 de setembro de 20183min286

Embora o Estatuto do Idoso esteja debutando este ano, nada mudou em relação às Políticas Públicas e aos Projetos Sociais, que tenham como temática central o envelhecimento.

Para construir uma rede colaborativa de empreendedores, agentes públicos e privados engajados nessas iniciativas e contribuir para ampliar a voz dos Conselhos representativos, surgiu através da engenheira, Carlota Esteves, o Movimento LONGEVIDADE BRASIL.

E assim, para chamar a atenção da sociedade para a causa “Longevidade, com Saúde e Qualidade de Vida”, o Movimento LONGEVIDADE BRASIL, estará realizando a Semana da Longevidade 2018, durante os dias 01 a 05 de Outubro, com fórum, mesas de debates e oficinas, celebrando além dos 15 anos do Estatuto do Idoso, o Ano da Valorização e Defesa dos Direitos Humanos e da Pessoa Idosa e o Dia Internacional do Idoso.

A Abertura, no dia 1° de outubro, será no Centro de Estudos Pró Saber, no Largo dos Leões, com o lançamento do Projeto SER Longevidade Brasil, prosseguindo com o Fórum LONGEVIDADE BRASIL, nos dias 02 e 03/10, na Faculdade SENAC-RJ, na Cinelândia, encerrando com o Dia de SER Longevidade Brasil, nos dias 04/10 na UVA , Campus Tijuca e 05/10 , na UNATI/UERJ, com painéis, mesas, palestras, oficinas e mostra de produtos e serviços voltados para a saúde e melhoria da qualidade de vida das pessoas. “Nosso intuito é realizarmos uma reflexão sobre a situação atual do Brasil, que deixou de ser “o país do futuro”, onde os jovens eram maioria. Nosso propósito é orientar o público, na busca de caminhos para uma longevidade saudável em suas múltiplas dimensões: econômica, social, política e cultural”, diz Carlota Esteves, líder do Movimento.

O evento conta com o apoio do Grupo Mulheres do Brasil, Pró Saber, Papel Semente, printmill, bq.escritórios, SENAC-RJ, SESC-RJ, UVA, UNATI/UERJ e a participação de parceiros como a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, PUC 50+,  UNATI/UVA, UNATI/UNISUAM, UNATI/UCB, UNATI/UFF, HealthFy, e empresas como Drogaria Galanti, CentroSolidarIdade, Grupo Empreendedoras Sempre, ATPress Viagens e Turismo, e de outras instituições públicas e privadas parceiras.


sfbo-LOGO.jpg

Saúde Bem Explicada20 de setembro de 20182min173

Pela primeira vez, o Congresso Franco Brasileiro de Oncologia terá uma sala dedicada a interdisciplinaridade no tratamento do paciente oncológico, no sábado, 22/09, das 9h às 17h, no Windsor Barra Hotel, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. A inciativa é da médica oncologista Sabrina Chagas em parceria com a blogueira Day Sant’Anna, do blog Viver Eu Quero.

– Ouvir o outro lado, ou seja, ouvir também os pacientes é uma tendência nos estudos e salas dos congressos europeus e americanos, mas ainda pouco visto aqui no Brasil. Por isso, resolvemos trazer isso para o Franco Brasileiro, e nossa proposta foi aceita. Eu sei bem como é o outro lado. Além de oncologista, vivi de perto o que é ter um familiar com câncer – conta Sabrina.  A sala será uma oportunidade de aproximar todos os envolvidos na luta contra o câncer.

– O ineditismo dessa proposta reside na inversão do olhar na construção do programa científico desta sala. Não vamos partir do ponto de vista exclusivamente técnico, pois queremos extrair o que há de novo na Oncologia que seja capaz de atender diretamente aos anseios de quem luta pessoalmente contra o câncer: o paciente. O que ele e seus familiares mais anseiam é boa informação e qualidade vida – complementa, Day.

O evento é para profissionais da área da saúde. As inscrições e a programação completa da sala está disponível no site: https://sfbo.com.br/

 

Serviço

 

Evento:  O Novo Caminho da Oncologia: Multidisciplinaridade e Comunicação

Local: Windsor Barra Hotel –  Avenida Lúcio Costa, número 2630 – Barra da Tijuca

Dia: 22/09 – Sábado

Horário: 9h às 17h

Mais informações: https://sfbo.com.br/

 

Fonte: Assessoria de Imprensa  Dra. Sabrina Chagas


dia-mundial-do-alzheimer-1-1.jpg

Saúde Bem Explicada11 de setembro de 20185min224

Uma das doenças degenerativas do cérebro que mais cresce entre os idosos é o Alzheimer. Hoje é uma das formas mais comuns de demência. No dia 20 de setembro, quinta-feira, às 18h30, o neurologista André Lima vai realizar  uma palestra sobre o assunto na Clínica Neurovida. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelos telefones: 3738-9800/97513-2413 (whatsapp) e as vagas são limitadas.  A Neurovida fica na  Av. Lúcia Costa, 17.970 – loja E, esquina com a Rua Gilka Machado, no Recreio dos Bandeirantes.

O evento acontece para chamar atenção para a doença – 21 de setembro é o Dia Mundial de Combate a Doença de Alzheimer – que acomete aproximadamente entre 50 e 60% da população idosa mundial, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Ainda não há um diagnóstico definitivo, apenas um diagnóstico de exclusão. No momento não há cura e não tem como ser evitada.  O que é possível fazer é minimizar as causas ainda quando se é jovem tendo uma melhor qualidade de vida.

Segundo a ONU, 75% dos doentes de Alzheimer desconhecem que sofrem do mal e a família, às vezes, é a última a perceber que aquele “simples” esquecimento, no idoso, é um dos sintomas iniciais. Além disso, muitos enfrentam o problema com a assistência médica. Com a crise e o achatamento das aposentadorias, a maioria não tem condições de pagar um plano de saúde e depende dos hospitais públicos/SUS que não oferecem um atendimento de excelência e acompanhamento constante.

O tratamento da doença requer um atendimento multidisciplinar com atendimento por profissionais da área da neurologia, clínica médica, fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e nutrição. A doença manifesta-se através de uma demência progressiva, que aumenta sua gravidade com o tempo e os sintomas começam lentamente e se intensificam ao longo dos anos. É um conjunto de sintomas que provoca alterações do funcionamento cognitivo (memória, linguagem, planejamento e habilidades visuais-espaciais), físico (problemas de marcha e deglutição) e também do comportamento (apatia, agitação, agressividade, delírios, entre outros), limitando, progressivamente, a pessoa nas suas atividades diárias.

Pode ser que os primeiros sintomas comecem alguns anos antes dos familiares perceberem que o idoso está com a demência. Podem ser esquecimentos simples, como troca de nomes dos netos, repetição de uma mesma história várias vezes e mudança de comportamento ou comportamento não adequado. Quanto antes se iniciar um tratamento, procurando a ajuda de um profissional da área médica, melhor será para  retardar o avanço da doença. Um diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento, que tem como objetivo frear o progresso da doença.

Os cuidados com o paciente são essenciais para que ele tenha conforto. O convívio familiar também e muito importante. Sempre observar as mudanças de comportamento, ter cuidados com a higiene para evitar infecções, não entrar em conflitos e principalmente ter muita paciência e amor.

Junto com os doentes, cresce também o número de familiares cuidadores que possuem sua rotina afetada pela doença. É comum este cuidador desenvolver doenças originadas pelo estresse. Além de vários outros problemas físicos, esse familiar pode apresentar também depressão, exaustão, insônia, irritação e falta de concentração. São problemas tanto físicos quanto psicológicos. Isso ocorre devido à sobrecarga de tarefas com o doente que aumenta com a evolução da doença.

Algumas dicas podem ajudar o cuidador a diminuir o estresse diário. Uma delas é aumentar o conhecimento sobre a doença, isso faz com que o familiar se prepare para as etapas do processo de demência, encarando as dificuldades de maneira mais prática. É importante que a pessoa tenha um sono reparador, pratique atividades físicas, tire um momento para si, mantenha uma rotina com amigos, medite, exercite a espiritualidade e se preciso participe de grupos de apoio.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa MVigo Assessoria de Comunicação


renalcor-rj.jpg

Saúde Bem Explicada3 de setembro de 20183min208

Ação aconteceu simultaneamente em mais de 40 cidades do país e reuniu milhares de pessoas em prol de pacientes renais crônicos

A Associação Brasileira dos Centros de Diálise e Transplantes (ABCDT) promoveu  na último dia 29 o Dia D da Diálise. A ação, que é fruto da campanha “vidas importam, a diálise não pode parar”, ocorreu simultaneamente em diversas cidades do país e mobilizou milhares de pessoas em defesa do tratamento renal. Um verdadeiro sucesso.

Dentre as cidades que receberam o maior número de pessoas apoiando a iniciativa e causaram maior visibilidade para a campanha estão: Rio de Janeiro (RJ), Belém (PA), Joinville (SC), Campo Mourão (PR), Curitiba (PR), Rio do Sul (SC), Porto Velho (RO) e Natal (RN).

Dr. Carlos Pinho, Secretário Geral da ABCDT, participou da campanha realizada no Rio de Janeiro. O evento contou com material explicativo sobre os tratamentos, além de aferição de pressão arterial, simulação de hemodiálise e teste glicêmico para os participantes. No local, que teve ampla cobertura da imprensa, estiveram presentes: familiares, pacientes, médicos, funcionários de hospitais e representantes de indústrias, empresas e redes clínicas.

O Secretário também participou da Audiência Pública solicitada pela Associação dos Renais e Transplantados do Rio de Janeiro, na Assembleia Legislativa do Estado. No encontro, foi reivindicado o financiamento adequado para o setor e a garantia de acesso a diálise para as mais de 120 mil pessoas com problemas renais crônicos, no Brasil.

A campanha está sendo extremamente positiva e comemorada pelos idealizadores do “vidas importam, a diálise não pode parar”. Segundo Carlos Pinho, o movimento faz com que o público assuma um papel de protagonismo na luta para a qualidade de vida dos pacientes renais em nosso país.

 

Sobre a ABCDT

Associação Brasileira dos Centros de Diálise e Transplante é uma entidade de classe que representa as clínicas de diálise de todo o país. A ABCDT tem como principal objetivo zelar pelos direitos e interesses de seus associados, representando-os junto aos órgãos públicos, Ministério da Saúde, Senado Federal, Câmara Federal, Secretarias Estaduais e Municipais. A mesma ainda representa as clínicas em ações judiciais, defendendo seus interesses individuais e coletivos.

Divulgação: Assessoria de Imprensa máquinacohn&wolfe

Foto: Divulgação